ILHA DA MAGIA

Sônia Schmorantz

Coisa estranha essa saudade

Anúncios

19/04/2010 Posted by | Uncategorized | 3 Comentários

Luz

Já tive presssa, mas hoje sigo devagar,
Não me importa mais ser a primeira,
mas a que sempre segue caminhando,
e nada quero da vida, a não ser esta luz
que escreve doces poesias na alma…
A tarde cai e o sol cria mil fulgores
que balançam no vai e vem das águas,
intensa luz como a há no teu olhar.
alimentando de cores esta infinitude.

Sônia Schmorantz

Clique na música para ouvir

Petula Clark – This is my song

19/04/2010 Posted by | Uncategorized | 2 Comentários

Amor

Há uma luz que brinca
ao final de um corredor,
Há um som de felicidade
acompanhado de saudade,
Há uma nostalgia perene
um sentimento de quase dor,
Há um quê de sentir e querer,
é a isso que chamamos amor?

Sônia Schmorantz

Clique na música para ouvir

Lou Red – Perfect day


17/04/2010 Posted by | Uncategorized | 1 Comentário

Dúvidas

Não tenho mais muitos sonhos,
resumem-se às boas lembranças,
aos lugares bonitos por onde passo,
esperando que a serenidade do amor,
seja um ninho aconchegante de pássaros.
Minha alma anda cansada,
chorando em versos tortos suas dúvidas,
buscando a dor certa para as injustiças,
ditas e desditas em nome do amor.
Vivo num sonhar e esperar irriquieto,
casual na vida e na alma,
peito rasgado por sentimentos vários,
uma ira ou uma mulher que ama,
desconhecida força que invade,
mágoa verdadeira que fere,
quando o amor não é entendido.
Tenho um caminho inseguro,
cresce uma profunda incerteza,
protegida à sombra das palavras,
só preciso que segure longamente
a minha mão e me faça esquecer
que sou diferente do que me supôs ser.

Sônia Schmorantz

Clique para ouvir a música

Aaron Neville – Crazy love


11/04/2010 Posted by | Uncategorized | 5 Comentários

Invento ao vento

Vento frio como acorde de violino,
rasga a madrugada de silêncio
arrepiando desalinhadas memórias.
Vento com chuva percorre a rua,
derramando-se sinuosamente,
ondulando cascatas de folhas,
abstrato corpo dançando,
que a noite vai devorando…
Por quem lamenta este vento,
inquieto visitante noturno,
que na janela vem bater?
Vento na pele arrepia,
agita sentimentos como folhas,
então invento o momento, o calor,
invento o prazer, a saudade,
invento palavras, um poema,
e todos os dias para amar você.

Sônia Schmorantz

Clique na música para ouvir

The Sixties – Sorry


09/04/2010 Posted by | Uncategorized | 4 Comentários

Descaso

Não costumo escrever sobre amor,
este amor de que falam os apaixonados,
minhas rimas são dispersas, inócuas,
desejos imersos em rimas dispersas.
Não tenho muitos sonhos,
mas invento meus versos,
perdidos versos que vagam sozinhos
fazendo um eco na solidão.
É uma estéril caminhada poética,
poemas invisíveis que ninguém lê,
monólogos que restam do dia a dia,
falando surdamente para mim mesma.
São versos distraídos de silêncio,
no descaso do nada querer,
mas se todo amor é um refúgio,
resta então uma esperança
para uma súbita poesia….

Sônia Schmorantz

Clique na música para ouvir

Orquestra Tabajara – Fascination


05/04/2010 Posted by | Uncategorized | 5 Comentários

Invenção

Na minha janela espraia-se o Atlântico,
brilham as estrelas do Cruzeiro do Sul,
suspiram flores em suspensos campos verdes,
as árvores balançam ao sabor do vento.
Na minha janela tem o mistério
da noite espessa e uma lua ao acaso
inspirando a poesia,
o cinzento das tardes de outono,
o som das ondas que murmuram preces,
num choro inútil que enche de mágoa a
solidão da praia quase abandonada…
Sobre mim pousam os ventos,
sentimentos dançando ao acaso,
que importa se a noite se cansa
e é lento o dia,
sonhos nascem sem qualquer razão,
a vida é esta grande invenção…

Sônia Schmorantz

Clique na música para ouvir

Gary Moore – One day


01/04/2010 Posted by | Uncategorized | 6 Comentários

Amo

Amo o silêncio das tardes cinzas de outono
o desenho das aves gravados no céu,
amo andar por estes caminhos, entre árvores
a balançar na brisa que vem do mar…
Amo as horas paradas do tempo em
que o mundo parece ter estacionado numa praia,
onde as ondas fazem graça na areia branca.

Amo as tardes com suas aragens frias,
que buscam seu agasalho na alma,
amo o verde esperança das matas,
o azul pacífico das inquietas águas,
a natureza de tantas cores da ilha,
as mil cores imaginadas e vividas,
cores de doçura e de força,
numa prece que é pura natureza.

Sônia Schmorantz

Clique na música para ouvir

Nat King Cole – Smile


30/03/2010 Posted by | Uncategorized | 4 Comentários

Minha Ilha

Na ilha o mar é mais azul,
cenário feito por um mago,
uma sonho de águas claras,
onde o vento me diz
que aqui serei feliz….
Ancorada no azul da ilha,
tudo é detalhe, detalhe de amor,
como dois barcos na areia,
secretos amantes fora do mar.
Respirando o outono tropical,
caminho no verde musgo da trilha,
areia fina, mar azul, lua no céu,
e o vento vem me dizer
que aqui existe o amor…
Meu amor é esta ilha,
são os olhos brilhantes
do homem que me ama,
São as ondas do mar,
são os pássaros que esvoaçam,
são as caricias do vento,
esta é minha ilha, meu destino
a ilha do meu amor…

Sônia Schmorantz

Clique para ouvir a música

Bert Kaempfert – Blue moon


28/03/2010 Posted by | Uncategorized | Deixe um comentário

Chuva de Outono

Cai a chuva da nova estação,
calçadas vazias, molhadas,
carros que passam apressados,
cobrindo o asfalto de reflexos.
São as chuvas de outono,
encharcando a cidade.
Debaixo dos guarda- chuvas
as pessoas andam rápidas,
sombras humanas abraçadas,
enquanto folhas flutuam ao vento
morrendo afogadas no chão.
Por detrás das vidraças olhos
acompanham sombras na névoa,
chuva e outono adentram a janela,
enquanto na rua transeuntes anônimos
correm para algum lugar qualquer.
Cai uma clara chuva de outono,
mudando as vestes, as cores,
numa vontade de não sorrir do céu.
Há um vento varrendo a cidade,
ônubus lotados, trânsito engarrafado,
Aqui dentro, um sentimento a toa,
canta uma melodia abatida,
inquieta chuva, vento, vida…

Sônia Schmorantz

Clique na música para ouvir

Richard Young – Rainy day


26/03/2010 Posted by | Uncategorized | 3 Comentários