ILHA DA MAGIA

Sônia Schmorantz

Desempregado

Eu conheço o medo de ir embora,
não há como esquecer esta noite,
as lágrimas que vi cair dos olhos,
dos amigos que choraram ao sair,
deixando seus sonhos pelo açoite.

Realidade cotidiana de quem trabalha
ser tirado o seu pão, o seu emprego,
desencorajado, coração esfacelado,
é mais alguém a ficar desempregado.

A vida anda mesmo em barco frágil,
difícil prever de quantas vítimas
se alimenta este capital de apetite voraz,
que devora vidas, devora sonhos,
hábil em impor a alguns o desatino,
um desrespeito que a ninguém agrava,
mas que muda tantos destinos…
Vi chorar os meus amigos ao sairem,
lágrimas inesperadas, surpresa sombria,
sonho, esperança, futuro,
escorrendo, diluídos num eco seco,
transformando a vida de repente.

Assustado, desempregado, resignado,
que importam as palavras de um poema
se a desgraça atingiu o homenageado?

Sônia Schmorantz


Um desabafo, diferente de tudo escrevo, mas esta noite
absolutamente necessário, precisava pôr em letras esta
impotente revolta.

Anúncios

01/03/2010 Posted by | Uncategorized | 3 Comentários